sexta-feira, 30 de abril de 2010

16 ANOS DEPOIS, #SENNAVIVE *

Dia 1º de maio, e até o dia 15, vamos entrar na segunda fase da Campanha dos 50 anos!

Agora a dinâmica é que os fãs twittem usando a hashtag #sennavive ou entrem no site www.senna50.com.br e postem com qual valor de Ayrton elas mais se identificam: motivação, determinação, superação, perfeição, garra, vitória.

Cada mensagem valerá R$ 2,00 reais que serão repassados ao Instituto pelas empresas parceiras Bradesco Capitalização, Pioneer, Credicard e Senna Store. No site, há uma foto de Senna em preto e branco, rebaixada, como uma marca d‘água. A cada mensagem postada, a imagem vai sendo revelada. A meta da campanha é alcançar 150 mil mensagens.

Outra ação é o filme inédito, realizado em parceria com as produtoras Cine e Lua Nova, que será veiculado no YouTube e estará disponível no www.senna50.com.br. Nele, Astrid Fontenelle e Simoninha convidam a comunidade a participar da campanha em favor da educação.

Viviane também participará do programa Altas Horas, do Serginho Groisman, na Globo, sábado que vem, falando dos 50 anos, da campanha e do Instituto.

Para quem ainda não sabe, estamos nas redes sociais. Você também pode participar twittando e disseminando as comemorações do ano para a sua rede. Confira nossos endereços:

Facebook: Instituto Ayrton Senna – Ayrton Senna Institute

Twitter: instayrtonsenna


Mais uma vez contamos com você para levar a causa da educação cada vez mais longe, assim como Senna levou o lado luminoso de nosso País aos quatro cantos do mundo!

Um abraço,

* Equipe Instituto Ayrton Senna

KANSAS...BY HELIO CASTRONEVES

Nossa Moconauta anda mesmo mal, depois da vacina da H1N1 fazer efeito, agora ele reclama da bezetacil que tomou nos fundilhos, dizendo que assim não dá pra sentir o carro, não dá pra sentir o chão...enquanto isso, o nosso GGOO Indycar está novinho em folha (sei disso porque dei umas voltas, por aí).

Mas vamos ao que interessa, a volta e a pista:

KANSAS SPEEDWAY TRACK HIGHLIGHTS

[OFF] BALLET É COISA DE MACHO

Sexta feira, dia oficial do happy hour, então vamos lá.
Uma pena que esse tipo de comercial não passe por aqui.



Bom fim de semana à todos!

O DUTO DA MODA

E os dutos de ar estão na moda e são a nova mania da F1. Inaugurados pela Mclaren, hoje praticamente todas as equipes tentam desenvolver um sistema parecido, enquanto a equipe inglesa tenta desenvolver ainda mais o seu.

Ferrari, Williams, Sauber, Renault correm e vão se aperfeiçoando. Esta corrida paralela começou na China e deve ficar ainda mais evidente no GP da Espanha.

Mas como funciona os dutos?

 

quinta-feira, 29 de abril de 2010

FOTO DO DIA


Indicada por Bruno Ticão, lá da longínqua Jaboticabal.

MASSA AINDA NÃO É UM PILOTO COMPLETO*

* Por Lívio Orícchio

Não foram poucas as vezes que, aqui, procurei expor a eficiência do trabalho de Felipe Massa, o piloto que mais evoluiu desde sua estreia na competição, dentre os que vi correr. Meu primeiro GP como jornalista foi o do Brasil, em 1987. E desde 1991 sigo praticamente todas as etapas do campeonato.

Desta vez, porém, meu comentário segue caminho oposto. O desempenho de Massa ontem em Xangai ficou muito abaixo do que se poderia esperar. Na conversa com o piloto depois da corrida, não houve lamentação alguma sobre comportamento difícil do carro em decorrência de problemas.

Massa não foi veloz, agressivo como algumas ocasiões a situação exigiu, e regular, a exemplo de suas últimas performances, sempre muito consciente e nos pontos. Sei que as comparações são, em geral, injustas. Nesse caso, no entanto, me parece ser uma referência importante.

Deixemos de lado o comportamento abominável de Fernando Alonso, para ser o primeiro a receber a troca de pneus, na ultrapassagem que contou com a boa vontade de Massa para ambos não colidirem. Mas você viram a prova do espanhol, com a mesma Ferrari?

Massa é capaz de desempenhos espetaculares também, como vimos na Malásia, há duas semanas, depois de estar com os pneus macios. Mas seu histórico em competições em que as condições se alternam, seco, molhado, seco, molhado, Massa em vez de crescer, como seria de se esperar, como faz no seco, simplesmente some.

Se desde 2007 Massa se mostra rápido e constante, cresceu muito como piloto, aprendeu a ver a corrida globalmente, a ponto de quase ser campeão do mundo, com todos os méritos, agora é hora de parar e estudar, em detalhes, como fazer para crescer nessas provas de condições adversas.

Não é pecado olhar com o carinho que a situação exige o que os melhores, como Alonso, Lewis Hamilton, Jenson Button, realizam nesses momento, como reagem a cada mudança, e procurar aplicar esse conhecimento. Não se trata apenas de feeling do piloto. Também é uma questão de aprendizado. É o que lhe falta, ficou estampado ontem mais uma vez, para ser um piloto completo.

SAFETY CAR, PRA QUE?


Jackie Stewart, GP da Espanha, 1970

UMA VOLTA PELO NOVO SILVERSTONE

O Silverstone Arena foi inaugurado hoje, com pompas e circunstâncias o autodromo pretende ser o mais veloz da F1.

Aqui você vê como ficou a pista:

quarta-feira, 28 de abril de 2010

LEGENDE A FOTO

[OFF] FRASE DO DIA

Essa veio lááááá dos cafundós da Bélgica, enviada pela minha querida prima e nossa (sumida) colunista Cinthia, dizendo que foi um comentário de seu colega de trabalho:

"Vejo a revista Playboy pela mesma razão que vejo a National Geografic: gosto de ver fotos de lugares que sei que nunca poderei visitar"

Esse rapaz é um sábio!

QUE CAMPEONATO É ESSE?*

* Por Felipe Motta

Infelizmente, após tanta expectativa pelo grid galático que temos nesta temporada, o GP do Bahrein foi apático e gerou desconforto em fãs e membros dos times. Porém, após 3 corrida espetaculares, o interesse está garantido até o fim.

Mais do que lindas disputas na pista, em 2010 encontramos uma variedade incrível de pilotos na luta por vitórias e pódios. Com isso, temos uma matemática fascinante após 4 etapas.

Do primeiro ao sétimo a diferença é pequena e o oitavo, Mark Webber, também não se encontra distante.

Além do talento individual dos pilotos, observamos este ano uma situação praticamente única em relação aos Construtores. O equilíbrio é grande e são muitos os times excelentes/bons.

Vejamos: a luta por vitórias conta com quatro grandes forças – Red Bull, Ferrari, McLaren e Mercedes. Poucas vezes tivemos 8 pilotos com possibilidades reais de vitórias.

Mais: o bloco intermediário é muito sólido – Renault (na luta com Kubica), Force India, Williams, Sauber e Toro Rosso apresentam performances boas. Pense que Rubens Barrichello leva 1 segundo dos líderes, algo nada humilhante, e isso o deixa fora dos TOP TEN.

Não me recordo na F-1 de um ano em que houvesse um forte e volumoso grupo de carros mais rápidos e ainda assim a diferença não fosse monstruosa para os demais.

Nas últimas temporadas sempre tínhamos equipes saco de pancadas: Midland, Spyker, Minardi, Toro Rosso, Jordan… Este ano, exceção às novatas, e nada mais natural que levassem pau no primeiro ano, todos os demais times são trabalhadores e contam com alguma performance.

Sobre pilotos observamos inúmeras possibilidades. Até os menos badalados no conceito geral, Button, Massa, Rosberg, mostraram força logo no início. E estão no páreo.

Button: o inglês foi o único a vencer duas vezes. Menos “showman” que o companheiro, mostrou eficiência. Seu estilo de pilotagem suave encaixou-se com a nova cara da F-1, sem reabastecimento.

Rosberg: as dúvidas sobre seu verdadeiro potencial começam a ser respondidas. Mais do que bater Schumacher, está brigando com os demais com personalidade.

Alonso: chegou na Ferrari e adaptou-se imediatamente. Faltou-lhe a sorte em duas corridas e cometeu erro grosseiro em outra. Ainda assim, está próximo aos líderes e é boa aposta para vencer Mundial.

Hamilton: deu show em 3 provas, mas ainda assim está atrás do companheiro em pontos, o que realmente importa. Se conseguir largar em melhores posições, pode vencer. Ao contrário do companheiro, desgasta demais seus pneus e isso o prejudica no fim das provas.

Vettel: Tem o carro mais rápido nas mãos, mas ainda não é o mais confiável. Poderia estar disparado na frente, mas perdeu a chance e isso pode custar-lhe caro no fim do ano.

Massa: obteve bons resultados em corridas onde tradicionalmente falhava. Surpreendeu ao assumir a ponta do Mundial tão rapidamente, o que prova que está recuperado do acidente na Hungria. Seu ritmo ainda não é ideial, especialmente em treinos de classificação. Tem 3 corridas favoráveis pela frente.

Kubica: um show nas primeiras provas. Regular, sem erros e eficiente. Tem uma Renault que surpreende e tira tudo que o carro permite. Título será uma grande surpresa, mas deve somar bons pontos em todos os GPs.

Webber: não é da altura do companheiro. Tende, aos poucos, a ficar como escudeiro de Vettel.

Destes 8 pilotos, e mais algum se quiserem, quem está bem na disputa do título (podem citar mais de um)?

O FUTURO DA WILLIAMS*

* Por Keith Collantine

A Williams pode voltar ao degrau mais alto do pódio? Parece que o FW32 é apenas o sétimo carro mais rápido, e olhe lá.

As quatro grandes vão estar fora do alcance, mas a Renault está à frente deles, bem, assim como as Force India - algo que seria impensável até 12 meses. Williams deve ser grata a BMW e Toyota que não estão mais no campeonato ou que estaria lutando para marcar poucos pontos, mesmo com os pontos até a décima posição.

Não é toda a desgraça e melancolia para os seus apoiantes, no entanto. Perder motores Toyota pelo menos, lhes permitiu reforçar a sua dupla de pilotos. A perda de Nico Rosberg é lamentável - ele foi da força ao reconhecimento com a Mercedes -, mas a combinação de super-experiente Rubens Barrichello com o promissor estreante Nico Hulkenberg é uma boa, pelo menos no papel.

Eles estão jogando um grande esforço por trás do desenvolvimento KERS, apesar de a tecnologia não está sendo usado na F1 este ano (um movimento contrário a equipe).

Seu centro de novas tecnologias no Qatar, onde vários engenheiros da Universidade de Cambridge foram recrutados, está trabalhando em aplicativos para a tecnologia fora do automobilismo. Hoje Williams anunciou que adquiriu uma participação maioritária na empresa por trás da tecnologia, Williams Hybrid Power. Ela poderia se mover muito inteligentemente para o futuro.

Você acha que Williams pode nunca recuperar a sua forma de conquista de todos os anos oitenta e noventa? Será que o seu desenvolvimento KERS desempenhar um papel importante em sua recuperação? Dê a sua opinião nos comentários.

FOTO DO DIA

terça-feira, 27 de abril de 2010

PILOTANDO UM F1 POR UM DIA

A Renault anunciou nesta semana a criação do programa "Feel It", onde qualquer pessoa poderá se tornar piloto de F-1 por um dia, informa o site TAZIO

Em Budapeste, na Hungria, os fãs que puderem pagar o valor aproximado de R$ 14 mil poderão passar um dia com uma equipe de 30 integrantes à disposição.

Com macacão, luvas, sapatilhas e capacetes fornecidos pela equipe, o fã receberá instruções de especialistas, será tratado por fisioterapeutas, além de contar com mecânicos e engenheiros exclusivos.

No entanto, o processo será gradual: primeiro, acontece duas sessões de 20 minutos em um F-Renault; depois, o participante atuará como co-piloto de um dos pilotos reservas oficiais em um Mégane para, finalmente, dar duas voltas no palco do GP da Hungria.

Por fim, o integrante do programa será passageiro em um carro de F-1 de três lugares. As atividades acontecem em dois períodos: de 7 a 11 de junho e entre 11 e 15 de outubro. Mais informações podem ser obtidas por meio deste link.

PILOTOS: STEFANO MODENA

Stefano Modena (Modena, 12 de maio de 1963) foi um piloto italiano de Fórmula 1.

Em 1987 sagrou-se Campeão Internacional de Fórmula 3000 e estreou, em 15 de novembro do mesmo ano, na Fórmula 1 pilotando uma Brabham com motor BMW no Grande Prêmio da Austrália, última etapa do campeonato.

No ano de 1988 correu pela equipe EuroBrun, obtendo como melhor resultado uma décima primeira posição no Grande Prêmio da Hungria. Nos dois anos seguintes correu pela Brabham-Judd, onde conquistou um terceiro lugar no Grande Prêmio de Mônaco de 1989.


Em 1991 pilotou para a equipe Tyrrell, tendo conseguido o melhor resultado de sua carreira, um segundo lugar, no Grande Prêmio do Canadá. No ano de 1992 encerrou a carreira correndo pela Jordan, marcando apenas um ponto, no Grande Prêmio da Austrália.

Em 81 corridas marcou 17 pontos e subiu ao pódio duas vezes.

Entre os anos de 1993 e 2000 participou de provas de carros de turismo na Itália e na Alemanha.

Atualmente é piloto de testes da fábrica de pneus Bridgestone.

RALLY UNIVERSITÁRIO FIAT (parte 3)


Depois de 3h35min e uma temperatura de 27°, o Rally Universitário Fiat chegou ao fim de seus 131 quilômetros de percurso, com largada e chegada na Concessionária Fiat Oro, em São José dos Campos, e que passou também por Caçapava, Taubaté e Tremembé. Foi um Rally de regularidade, onde quem conseguisse marcar menos pontos ganhava. Ao final, 671 latas de leite em pó foram arrecadas e doadas ao Grupo de Apoio a Criança com Cancêr - GACC. O prêmio para os competidores? Medalha por participação e uma muda de planta, incentivando a preservar o meio ambiente. Confira abaixo o resultado do Rally.

Acompanhe a classificação dos cinco primeiros:

1- Rodrigo Lamas / Aline Mota / Natasha Pinheiro - Rio de Janeiro(RJ) - 1052 pontos
2- Marcelo Lima / Valdir Sobon - Taubaté (SP) - 1155 pontos
3- Leonardo de Almeida / Leandro Batisteti - São Paulo (SP) - 1391 pontos
4- Leonardo Magalhães / Priscilla Argentin - Campinas (SP) - 1399 pontos
5- Luiz Carrara Neto / Simone Carrara - São José dos Campos (SP) - 1499 pontos

Destaque equipe feminina: Patrícia Monsores / Ana Paula dos Santos - São José dos Campos (SP) - 20370 pontos
Destaque equipe mista: Emerson Farias / Marcelo Farias - São Paulo (SP) - 3308 pontos
Destaque equipe Fiat Adventure: Orlando Teruz / Danieli Midori - Brasília (DF) - 5819 pontos


Foto:Gabriel de Oliveira

RALLY UNIVERSITÁRIO FIAT (parte 2)

Antes de falar o resultado do Rally Fiat, contarei uma história curiosa dessa minha cobertura. Pela primeira vez em praticamente 4 anos de GGOO vi alguém reconhecer nossa camisa. Entre fotos e entrevistas que eu realizava, escuto alguém me chamando: "Ei.. ei! Você! É você! É da GGOO?" Por um instante fiquei surpreso, jurava que seria algum amigo de faculdade, mas não, nem conhecia o garoto. Seu nome, por incrível que pareça, era Daniel, 25, de São José dos Campos, mas fazia Direito no Mackenzie (SP). Após minha confirmação de que era da GGOO, ele ainda fez mais uma pergunta: "Vocês é que colocaram aquela faixa anti-Hamilton, não foi?" (para quem não lembra ou não sabe, criamos uma faixa para o GP Brasil de 2008 com os dizeres Hamilton, a curva do lago te espera!). Disse que sim, e começamos a conversar sobre F1, mas falamos mesmo foi sobre a temporada de 2009 e 2010, além de falar sobre a torcida, e claro, sobre o Rally. Após alguns minutos outra surpresa, os amigos da equipe dele chegaram e eu já indo embora, recebo um pedido para tirar foto, foram umas 3, bem legal. Foi um início muito bom, que me deixou mais a vontade para cobrir o evento, e também com a alegria de saber que a GGOO já é realmente reconhecida por ai.


Obs: Daqui a pouco o resultado do Rally Fiat.

segunda-feira, 26 de abril de 2010

FOTO DO DIA

Sugerida e enviada, diretamente de Coruripe, pela nossa querida Marilda:

DESAFIO DO DIA


Quem e Quando? Falso ou verdadeiro?

HULKENBERG: UM PASSEIO POR NORDSCHLEIFE

HULKENBERG: "O RITMO DE BARRICHELLO É INTRIGANTE"

Nico Hulkenberg, 22 anos, é a aposta da Williams para o futuro. Campeão da GP2 e ex-piloto de testes da equipe, ele foi contratado nesta temporada como piloto oficial do lado do experiente Rubens Barrichello, 37 anos, que servirá de "professor" para o jovem alemão.

A receita da Williams parece estar dando certo pois, segundo o próprio Hulkenberg, Barrichello é, para ele, algo indecifrável até o momento devido às suas exibições e à maneira com que consegue guiar o FW32, carro da equipe Williams, informa o site GRANDE PREMIO.

"O modo com que ele guia o carro, apenas oito décimos mais lento que os carros da frente, é estarrecedor. Quando o carro está realmente difícil, Rubens faz uma volta que me faz pensar como ele fez aquilo", disse o jovem alemão à revista "Auto Motor und Sport".

Para Nico, essa experiência de competir ao lado do ex-piloto da Brawn é extremamente positiva para ele, que aprende aos poucos com o brasileiro.

"Ele é um competidor experiente, que no último ano venceu corridas com um carro vencedor. Se eu estiver ao lado dele no treino classificatório e conseguir batê-lo nas corridas. Será um sucesso", confiou.

Entretanto, apesar do otimismo, o alemão reconheceu que pode levar algum tempo para que ele consiga adquirir os conhecimentos de Barrichello, informa o site TAZIO.

domingo, 25 de abril de 2010

RALLY UNIVERSITÁRIO FIAT















Hoje as 9h31 foi dada a largada para a 2ª etapa do Rally Universitário Fiat, em São José dos Campos. Evento beneficiente, toda sua arrecadação vai para o Grupo de Apoio a Criança com Cancêr - GACC. Os pilotos devem percorrer um trajeto desconhecido, onde apenas a planilha do navegador serve como referência.

E é claro que a GGOO está presente. Com uma licença especial, temos total liberdade para tirar fotos, gravar entrevistas, e até comer os salgadinhos dos participantes.

Aguardem noticias.

sexta-feira, 23 de abril de 2010

FOTO DO DIA

HISTÓRIAS E MAIS HISTÓRIAS*

* Por Rodrigo Mattar

Tive a satisfação de editar na última semana o quarto programa da série Histórias com Galvão Bueno, a pedidos. Pedido irrecusável, ainda mais porque o entrevistado é o “pai de todos”: Emerson Fittipaldi.

No programa, o Rato narra toda sua trajetória que o levou do colo do pai Wilsão, na primeira visita a Interlagos em 1951 até hoje, passando pelos anos inesquecíveis do automobilismo brasileiro nos anos 60, a aventura quase solitária na Fórmula Ford, a passagem para a Fórmula 1 em menos de um ano, os títulos, as conquistas, os sonhos e as tristezas de ver oito colegas de profissão mortos em acidentes ocorridos entre 1970 e 1980, período em que esteve na categoria máxima.








quinta-feira, 22 de abril de 2010

ATELIÊ FILOMENA MENA MENA


A Filomena Mena Mena está de cara nova. A Filomena de seus encantos, fuxicos e retalhos. A Filomena artesã. A Filomena cheia de novidades e muitas belezas em seu interior. A Filomena que cria. A Filomena que ensina. A Filomena para todos os momentos. Que saudades da Filomena e de seus remendos.

A Filomena Mena Mena é uma loja de artesanato, criada pela nossa primeira dama, Carolina, que vende produtos maravilhosos, artesanais, como estes:



Vale muito a pena, passar por lá, conhecer a loja e, claro, fazer como eu, comprar.


A Filomena Mena Mena fica na Rua Coronel Amâncio Bueno, 232 - Centro de Jaguariúna. O telefone é: (19)3867 3689.

Mas se você gostou deste ótimo trabalho e não pode ir até Jaguariúna, você pode comprar diretamente pela internet através da loja virtual da Filomena Mena Mena: http://www.ateliefilomenamenamena.com.br/

GP DA CHINA: BASTIDORES DA REUNIÃO DA FERRARI

Enviada pelo Bruno Vicária, via Twitter, os batidores da reunião da Ferrari após o GP da China de F1:

PIRELLI DE VOLTA?

A Pirelli é mais uma fabricante que deve entrar na briga para retornar à F1 como fornecedora de pneus na próxima temporada. De acordo com o site “TomorrowNewsF1.com” desta quarta-feira (21), o presidente da empresa italiana, Marco Tronchetti Provera, cogita o retorno à categoria dentro das mesmas condições impostas pela Michelin.

“É uma hipótese a avaliar se as mudanças forem validadas”, declarou Provera. Assim como a Michelin, a Pirelli defende a introdução de rodas de 18 polegadas de diâmetro no lugar das de 13, usadas atualmente. Outra proposta é que os membros da Fota (associação das equipes de F1) ajudem nos custos do fornecimento da borracha, informa o site GRANDE PREMIO.

Além da Pirelli e da Michelin, a Cooper Avon é outra forte candidata para substituir a Bridgestone na F1 a partir do ano que vem. A fornecedora americana, aliás, é a preferida de Bernie Ecclestone, que não está disposto a trazer de volta para a categoria a “guerra dos pneus”.

Os times pressionam a FIA e Ecclestone para que uma decisão sobre o assunto seja tomada o mais rápido possível. As equipes esperam que a questão seja solucionada até o GP da Espanha, que acontece no início de maio, em Barcelona.

Se a Pirelli voltar, sem dúvida voltaremos a ver belos comerciais como este:


Ao contrário dos que a Bridgestone promove, como este aqui.

EIS O VELOPARK

Este é o mais novo autódromo brasileiro, o Velopark. A pista não é muito longa, pouco mais de 2 km (precisos 2.153 m), tem duas grandes retas e oito curvas, mas as instalações são excelentes, é um verdadeiro parque da velocidade

quarta-feira, 21 de abril de 2010

A PRIMEIRA VEZ DE AYRTON SENNA

Há 25 anos atrás, exatamente no mesmo dia em que o falecia Tancredo Neves, Ayrton Senna vencia pela primeira vez. Era um dia chuvoso em Estoril, Portugal e lá, Senna mostou seu potencial ao marcar a sua primeira pole-position na carreira.

A vitória, na chuva, foi obtida através de um show de controle, habilidade e velocidade, chegando a colocar mais de um minuto de vantagem sobre Michele Alboreto, o segundo colocado. A história era escrita do jeito em que caracterizamos Ayrton, sua habilidade em pilotar na chuva sempre no limite.

Ficam as lembranças deste dia triste para o povo brasileiro e feliz para os amantes da F-1.


REPLAY: GP DE LONG BEACH (INDY)

terça-feira, 20 de abril de 2010

(OFF): O PROBLEMÁTICO RÁDIO DE NICO ROSBERG NO GP DA CHINA

Rosberg struggles to find his favourite radio station from TommyB89 on Vimeo.


Precisa dizer o porque ele foi ultrapassado pelo Hamilton?

REPLAY: GP DA CHINA (F1)

SOBRE MASSA E ALONSO

Esperei a poeira baixar um pouco para falar sobre Alonso e Massa. Ouviu-se de tudo, criou-se em torno do fato até teoria da conspiração, todos relembraram daqueles momentos de Schumacher e Barrichello. Enfim, muito se falou e panos quentes de todos os lados foram colocados.

Massa errou e foi ultrapassado na pista, normal. O que não é normal é ele aceitar tão facilmente a ultrapassagem. Faltou brio, faltou bater roda, mostrar garra, falar quem manda na equipe. Pela segunda vez, perdeu a chance de mostrar isso. Com isso, Alonso vai ganhando espaço, já ganhou corrida, vai se mostrando mais veloz e, mesmo com os vários e sérios problemas de motor que vem enfrentando, consegue ter destaque nas corridas.

Acorda, Massa. O campeonato não acabou, ainda.

E só pra apimentar mais, mesmo com Schumacher, o Barrichello não abria tão facilmente assim...ou estou errado?

JORNALISTAS, FOTÓGRAFOS, BLOGUEIROS, CORRIDAS...*

*Por Luciano Monteiro

Sábado, abordei aqui a questão do credenciamento de jornalistas para os eventos de automobilismo. Nem dou link, foi no texto logo aí abaixo. E, como prometido, sabatinei no domingo em Jacarepaguá o presidente da CBA, Cleyton Pinteiro, a esse respeito. Pinteiro, como já comentei, é sujeito bom de papo, tem boas tiradas, aplica frases de efeito pertinentes e não costuma fugir de um debate.

Manda a regra do bom jornalismo que entrevistas têm de ser gravadas. Não gravei porcaria nenhuma. Primeiro, porque o BLuc não é produto jornalismo. Segundo, porque conversa de homem pra homem é fiada no princípio básico de que ninguém compromete-se com o que não vá honrar, é o que se espera, principalmente de alguém que fala sabendo que terá suas considerações reproduzidas a outros. Terceiro, porque a conversa não foi uma porcaria.

Aos fatos. Pinteiro confirmou que a CBA trabalha para diminuir o número de jornalistas credenciados à cobertura dos eventos. Um trabalho, obviamente, confiado ao assessor de imprensa da entidade, no caso o jornalista Wagner Gonzalez. Concordou, o presidente, que o critério para a cessão do credenciamento não deve ser atrelado ao porte ou não de diploma universitário e definiu a postura como “de valorização”.

Pinteiro entende que a credencial de imprensa existe para profissionais que exercem atividade jornalística ou de divulgação terem reconhecimento. “Há muita gente que pede a credencial, pega, vem pro autódromo e fica andando de lá para cá, olhando os carros, tira uma fotinha com o celular. Só para colocar no Orkut, às vezes nem isso, e ele está com uma credencial de imprensa pendurada no pescoço. Aí, o jornalista de fato fica rebaixado ao mesmo nível de um curioso que está aqui dentro só porque gosta”, falou.

Foi quando ponderei que há casos de blogs ou mesmo de sites que são mantidos por puro diletantismo de seus mantenedores e que acabam proporcionando a seus públicos direcionados uma exposição em larga escala. O presidente concordou que essas pessoas têm de ser credenciadas para os eventos. “Sempre com critérios, e existe a condição para sabermos sempre quem é do ramo, quem dá essa exposição como contrapartida ao automobilismo”, condicionou.

Aí impus a questão mais delicada de que ouço falar – a de fotógrafos que atuam nas corridas credenciados como membros de imprensa, mas que não têm qualquer ligação com veículos de comunicação. São fotógrafos, e conheço vários deles, que vão a um autódromo ou kartódromo, produzem seu material e comercializam fotos e pôsteres aos pilotos, aos patrocinadores, a agências, a quem bem entenderem.

Expus a Pinteiro que uma imagem vendida pelo fotógrafo a alguém envolvido com o contexto fotografado também há de proporcionar retorno. Não na mídia quando compreendida a partir de um veículo de comunicação, mas em exposição que terá potencial para atrair ao automobilismo a atenção de um público que não consome, necessariamente, esses veículos.

Deu para entender o que eu quis dizer aqui? Parece linguagem acadêmica, credo. Tomem o exemplo do pôster de um carro ou kart na parede de um comércio qualquer. Da loja de tintas do pai de um piloto, por exemplo. Todo mundo que ali entrar para comprar uma lixa ou uma brocha vai, ainda que por instantes, ter um contato – por vezes inédito – com o kartismo.

Bem, a conversa com o Pinteiro não foi tão enrolada e nem tão chata, ele tinha mais o que fazer em Jacarepaguá e eu também. Resumo da ópera, o dirigente garantiu-me que há, também, espaço para estes profissionais. E opinou que são úteis para o automobilismo, talvez não com esses termos – como já disse, não gravei a entrevista. “Mas temos de elaborar um outro tipo de credenciamento, esse fotógrafo vai para o autódromo fazer seu trabalho, mas não com uma credencial de imprensa”, comprometeu-se.

Existe, explicou Cleyton Pinteiro, uma preocupação adicional com a segurança. “Principalmente nas provas de kart, o fotógrafo vai para o meio da pista, acaba dando um carteiraço no fiscal, no segurança, e fica tirando suas fotos em posição de risco”, ilustrou, citando o caso de um fotógrafo que acabou sendo atingido por um kart desgovernado enquanto trabalhava de um ponto onde não deveria estar e depois acionou as entidades esportivas.

“Nós não queremos impedir ninguém de trabalhar. Queremos, sim, dar condições melhores para quem vai trabalhar. Por isso estamos estudando e avaliando as mudanças que vamos fazer na regulamentação desse credenciamento”, concluiu. “É mais fácil, ou menos difícil, você administrar uma exceção do que combater uma regra”, ilustrou.

Tenho, quando converso com Pinteiro, a impressão de que evita comparações com a gestão de seu antecessor Paulo Scaglione. No caso do credenciamento de imprensa, foi explícito. “Nos anos anteriores, a CBA distribuiu um número excessivo de credenciais de imprensa, isso também acabou acostumando mal as pessoas”, observou.

Enfim, o compromisso que Cleyton Pinteiro assumiu – e disse que eu poderia escrever que ele assinaria embaixo – é que ninguém que de fato faça por merecer o credenciamento para atuação no automobilismo deixará de obter o acesso, e que só o que vai mudar são os critérios desse processo todo.

Quem disse que uma boa conversa não leva a soluções?

AS LARGADAS DO FINAL DE SEMANA

Muito se comentou sobre a largada de Fernando Alonso no GP da China. Se queimou ou não queimou, se fez uma boa largada ou não...

Enfim, largada por largada, fico com estas de João Paulo Oliveira na F. Nippon e de Tony Kanaan, na Indy, em vídeo montado por Kiko Stone e disponibilizado via Twitter.


Além disso tudo, bem interessante o design dos carros japoneses, não?

segunda-feira, 19 de abril de 2010

SP INDY 300: NOVA DATA?

Informa Teo José que, a Indy São Paulo 300 não será mais a abertura da temporada da Fórmula Indy. A prova paulista, realizada em março, vai agora para maio. A data escolhida é o dia primeiro, podendo ser antecipada para uma semana antes. Falta apenas a parte burocrática de contratos com algumas partes envolvidas para o anúncio oficial.

Todos os lados querem 1/5. Assim a organização teria mais tempo para preparar o evento. Principalmente a pista do Anhembi, que teria quase três meses para ser montada - já que data é distante do Carnaval. A corrida deve ser a quarta do calendário de 2011, depois viriam as 500 Milhas de Indianapolis.

Ou seja, a São Paulo Indy 300, seria a corrida anterior a etapa do estado de Idiana. O traçado não deve ter nenhuma alteração.

LEGENDE A FOTO

VITÓRIA DE ROBERVAL; VITÓRIA DO AUTOMOBILISMO*

*Por Rodrigo Mattar

O lindo domingo de sol e calor no Autódromo de Jacarepaguá foi glorioso para o automobilismo brasileiro. Sem resvalar no exagero de uns e outros, mais de 30 mil pessoas lotaram arquibancadas e camarotes montados na pista carioca para ver as provas da Porsche GT3 Cup e da inédita corrida da Fórmula Truck, vencida por Roberval Andrade.

Inédita porque, se me lembro bem, em 1999 eles estavam no programa da Rio 200 – a corrida da Fórmula Indy no Brasil – como evento suporte da corrida do certame estadunidense. Mas com a chuva e os atrasos do sábado, a exibição foi cancelada. Um buzinaço selou os protestos contra os ianques, que de nada adiantaram.

O tempo passou, passou e passou. Jacarepaguá, hoje um simulacro de autódromo, despiu-se de sua imagem de abandono e graças aos esforços de Neusa Navarro Félix e seus comandados, a Fórmula Truck fez muito mais pelo autódromo do que a prefeitura do Rio de Janeiro desde a passagem da Stock Car por aqui, no fim do ano passado.

O excepcional público visto hoje em Jacarepaguá é a prova viva de que mesmo com sol, praia e futebol (havia hoje à tarde a decisão da Taça Rio, que deu o título do campeonato ao Botafogo), o carioca gosta de automobilismo. O brasileiro gosta de automobilismo. Uma eficiente divulgação enche autódromos. E o Rio não pode ficar sem um Autódromo à altura de sua tradição no esporte. Nunca.

Querem provas? De onde são as seguintes equipes: Vogel, A. Mattheis, Officer-Pamplona e JF Racing?

Sim, são do Rio de Janeiro. Estão na região serrana, a 80 km da pista. Mas são do estado. São parte da história do automobilismo do Rio. E como negar a existência de um Mauro Vogel, de um Jorge Freitas ou mesmo de Andreas Mattheis?

Como negar que o esporte gera dezenas de empregos diretos?

E como negar também que foi uma burrice siderúrgica destruir o setor norte da pista para se erguer uma piscina que não tem competição nenhuma, uma arena que só tem show e jogos de basquete aqui e alhures, além de um velódromo, que não interferiu na geografia do circuito, mas que também vive às moscas como os outros aparelhos esportivos?

O Rio de Janeiro pode ser uma cidade olímpica sim. Pode ser a sede da final da Copa do Mundo sim. Mas não pode desmerecer um esporte que deu ao país oito títulos mundiais de Fórmula 1 e tantos outros em diversas categorias pelo planeta todo. Não pode.

E não surpreendem as palavras duras de Alexandre Barros, que mais do que nenhum outro piloto, pôde vivenciar o apogeu do Autódromo e as reformas que tornaram possíveis as corridas do Mundial de Motovelocidade entre 1995 e 2004.

“Triste, investimos cinco anos de trabalho para conseguir deixar esse autódromo pronto para a MotoGP, conseguir o asfalto certo, tudo, para virem e fazer isso, o Rio de Janeiro não pode ficar sem um autódromo.”

São declarações de um piloto que não é um qualquer. Alexandre é um ídolo, uma referência do esporte que faz muita falta como representante do Brasil no circuito mundial.

Voltando ao que se viu na pista, 24 “brutos” deram show em 60 minutos de corrida em Jacarepaguá. O pole position Danilo Dirani perdeu a ponta logo na largada para Roberval Andrade e depois o câmbio de seu Ford Cargo falhou. O piloto do Scania com as cores do Corinthians dominou as 29 voltas até a quadriculada, com Leandro Reis em segundo e “Hisgué” Benavides em terceiro.

Felipe Giaffone saiu em último, chegou em quinto e com o resultado ainda lidera o campeonato, com 43 pontos – mesmo total de “Hisgué”, porém com uma vitória a mais. Leandro Reis é o terceiro, quatro unidades atrás e Roberval Andrade é o quarto, com 35.

A terceira etapa do campeonato é em Caruaru, capital mundial do Forró, dia 16 de maio.

FOTO DO DIA: GP DA CHINA

PILOTOS: PIERLUIGI MARTINI

Pierluigi Martini (Lugo di Romagna, Itália, 23 de abril de 1961) foi um piloto italiano de Fórmula 1. Participou de 124 grandes prêmios, e a sua carreira na categoria-mor do automobilismo se iniciou em 9 de setembro de 1984 pela equipe Toleman. Somou um total de 18 pontos no campeonato (16 pela Minardi, 2 pela Dallara).



É o melhor piloto da história da Minardi - pilotou o primeiro carro da equipe em 1985, marcou o primeiro ponto no Grande Prêmio do Leste dos Estados Unidos de 1988, conseguiu a única largada na primeira fila no Grande Prêmio dos Estados Unidos de 1990 (auxiliado pelos pneus especiais da Pirelli), a única volta na liderança de uma corrida no Grande Prêmio de Portugal de 1989 e os dois melhores resultados do time de Faenza na Fórmula 1, dois quartos lugares em San Marino e Portugal, em 1991. Após fracos resultados em 1995, Martini decide abandonar a F-1 aos 34 anos de idade.


Em 1999, ele venceu as 24 Horas de Le Mans juntamente com o francês Yannick Dalmas e com o alemão Joachim Winkelhock pilotando uma BMW. Depois se afastou do esporte, porém, Martini voltou à ativa em 2006, e disputou a Grand Prix Masters.

domingo, 18 de abril de 2010

GGOO BOLÃO F1 2010 - Resultados do GP CHINA

RESULTADO OFICIAL DA CORRIDA:
Pole Position - VETTEL
Posição no Grid Aleatória (02º) - WEBBER
Volta mais rápida na corrida - HAMILTON
01º colocado na corrida - BUTTON
02º colocado na corrida - HAMILTON
03º colocado na corrida - ROSBERG
04º colocado na corrida - ALONSO
05º colocado na corrida - KUBICA
06º colocado na corrida - VETTEL
07º colocado na corrida - PETROV
08º colocado na corrida - WEBBER
09º colocado na corrida - MASSA
10º colocado na corrida - SCHUMACHER

PONTUAÇÃO NO BOLÃO:
46 pontos - RENNER
39 pontos - RUI LENHARI R10 / ANDRÉ ROQUE
34 pontos - A. ROQUE / JOÃO FELICIANO / IGOR DPN
31 pontos - CÁSSIO
30 pontos - KAKINHU
27 pontos - MAURICIO PELOSO
26 pontos - MARCOS / MARCO / PRIMEIRA DAMA
25 pontos - MARCELÃO
21 pontos - VANUSA
20 pontos - DUFF / RICARDO
18 pontos - ANGELO DUI
16 pontos - TIO BRUNO / DORLY PEREIRA
08 pontos - CASSIOLEAO / CARLOS CARIOCA / RODRIGO PIOIO / ICE
Os demais participantes não pontuaram


CLASSIFICAÇÃO GERAL:

FOTO DO DIA: GP DA CHINA

LONG BEACH BY...GRAHAM RAHAL

E agora, com o carro consertado, foi a vez do nosso racing driver, sentir os efeitos da vacina da H1N1 (a gripe suína) e não poder dar uma volta pelo circuito de Long Beach.

Se não temos nosso Moconauta, vamos de Graham Rahal, aproveitem:

sexta-feira, 16 de abril de 2010

quinta-feira, 15 de abril de 2010

SHANGHAI BY GGOO

Continuando do outro lado do mundo, chegamos agora na pista da China.

Uma pista onde nenhum piloto conseguiu vencer mais de uma vez. Curvas rápidas, porém, com os pontos de ultrapassagem mais uma vez no molde de Hermann Tilke. Ou seja, retão e freada forte.



E agora, além desta volta, também apresentaremos as informações e características de cada pista, fornecidas pela equipe Williams para o Blog da GGOO:

LEGENDE A FOTO

PILOTOS RECLAMAM DE HAMILTON

A manobra de Lewis Hamilton durante o GP da Malásia, em que mudou de direção várias vezes em plena reta quando defendia sua posição do ataque de Vitaly Petrov, da Renault, ainda está causando polêmica, informa o site TAZIO.

O inglês recebeu apenas uma advertência, o que gerou reclamação por parte da equipe Renault. Nesta semana, outros pilotos também criticaram Hamilton.

"Não foi certo. Os pilotos têm um acordo, obviamente um acordo verbal, nada foi assinado. Você pode mudar de direção apenas uma vez durante uma defesa. Para mim, é algo desde os tempos de Fórmula Ford", afirmou Rubens Barrichello. "Se fosse comigo, teria bloqueado ele, porque não foi certo", completou o brasileiro de forma dura.

Robert Kubica, da Renault, é outro que não concorda com a manobra de Hamilton.

"A maneira que ele dirigiu não foi correta. Eu achava que algo deveria ter sido feito. De acordo com as regras, eu acho que deveria ter sido dada uma penalização. Lendo o regulamento, fica claro para mim o que pode ser feito. Vendo a Malásia, não fica mais tão claro para mim", disse o polonês.

Mark Webber acredita que o problema deverá ser discutido na reunião dos pilotos antes da corrida da China, neste final de semana.

"Você não verá Lewis fazer aquilo de novo", afirmou o australiano.

No final, fica a pergunta, o que queremos ver é disputas ou corrida de autorama? Deixa o cara dar o seu show...

FOTO DO DIA

COULTHARD DE VOLTA?

David Coulthard assumirá somente neste fim de semana o posto de piloto reserva da Red Bull no GP da China, que será realizado no próximo domingo (18), informa o site GRANDE PREMIO. O escocês, que encerrou a carreira na F1 em 2008, mantém o cargo de consultor da equipe austríaca, além de trabalhar como comentarista da emissora britânica BBC. Recentemente, o veterano assinou contrato com a Mercedes para disputar a temporada 2010 do DTM.

Os atuais pilotos reservas da escuderia das bebidas energéticas, Daniel Ricciardo e Brendon Hartley, estarão em Aragón, na Espanha, para a estreia da temporada da World Series. Ambos são pilotos da equipe francesa Tech 1.

Ricciardo, campeão da última temporada da F3 inglesa, é cotado para assumir um dos lugares da Red Bull no futuro, busca adquirir experiência na categoria ― que já revelou Jaime Alguersuari ―, visando alcançar a F1 em breve. "É importante ser capaz de lidar com a pressão e o número de eventos para se preparar para um futuro na F1", afirmou.

quarta-feira, 14 de abril de 2010

STOCK EM RIBEIRÃO: TRAÇADO É MODIFICADO

Definido o traçado do circuito de rua que receberá as etapas da Stock Car e da Copa Montana no dia 06 de Junho na cidade de Ribeirão Preto. Com alterações em relação ao que foi divulgado no dia da confirmação da prova, a pista agora sairá da Avenida Braz Olaia Costa, passando pela Rua Marcos Markarian, Rua da Balbina e Rua Magda Perona Frossard antes de voltar ao sentido contrário da Avenida Braz Olaia Costa e seguir pelo trajeto do projeto inical. Com essas alterações, o circuito agora terá 2.800 metros.


Exibir mapa ampliado

É esperado um público de quarenta mil pessoas, atraindo turistas de toda a região do interior paulista. Os ingressos começam a ser vendidos em maio, com preços que deverão custar entre R$ 80,00 e R$ 100,00. E como sempre, a GGOO marcará  presença em mais esse grande evento do automobilismo nacional.

Baixe o Adobe Flash Player

GP DA CHINA - HORÁRIOS

Sex 16 Abril 2010
Treino Livre 1 (Qui) 23:00 - (Sex) 00:30
Treino Livre 2 03:00 - 04:30
Sáb 17 Abril 2010
Treino Livre 3 00:00 - 01:00
Treino Classificatório 03:00
Dom 18 Abril 2010
Corrida 04:00
* Horários de Brasília (GMT -03:00)

[OFF] EMPREGO PARA A SOGRA

O vídeo é auto explicativo!


GP DA CHINA: CURIOSIDADES

Nunca um piloto conseguiu vencer mais de uma vez o GP da China. No calendário desde 2004, a prova teve seis vencedores diferentes em suas seis edições, informa o site TAZIO.

Rubens Barrichello venceu a corrida inaugural do circuito de Xangai, pela Ferrari. Foi a última vitória do brasileiro pela equipe italiana.

Depois, nos anos seguintes, foi a vez de Fernando Alonso, pela Renault, Michael Schumacher, na Ferrari, Kimi Raikkonen, também pelo time de Maranello, Lewis Hamilton, pela McLaren, e, no ano passado, Sebastian Vettel, em prova que marcou o primeiro triunfo da equipe Red Bull.

Com a exceção de Raikkonen, hoje competindo no Mundial de Rali, todos os outros são candidatos à segunda vitória no GP chinês, que acontece no próximo domingo.

terça-feira, 13 de abril de 2010

STOCK EM RIBEIRÃO: ORGANIZADORES VISITAM O LOCAL DA PROVA

Baixe o Adobe Flash Player

GGOO STOCKCAR: AO VIVO EM CURITIBA

E nosso ilustre Marcelão, curitibano veloz, esteve presente na segunda etapa da Stockcar, realizada em Curitiba e nos trás, com exclusividade, um vídeo dos momentos em que passou por lá. Novamente na placa dos 50m e até "invadindo" (?) a pista, no melhor jeito GGOO de ser:

FOTO DO DIA

CHUVA NA CHINA?

Depois da chuva esperada para os GPs de Austrália e Malásia, surge a possibilidade de o GP da China ser realizado em pista molhada. De acordo com a meteorologia, há grandes chances de a tarde de domingo (18) ser chuvosa em Xangai, informa o site GRANDE PREMIO.

As previsões de longo alcance — e por isso, mais falíveis — apontavam que havia 85% de chance de chover durante o domingo à tarde. Nesta terça-feira (13), o Weather Channel já aponta 60% de possibilidades. A temperatura máxima deve ser de 18ºC e a mínima de 13ºC.

Na sexta-feira e no sábado de treinos, é previsto apenas sol, embora sem calor. Para a classificação, por exemplo, a temperatura mais alta está estimada em 16ºC.

No ano passado, o GP chinês foi disputado sob chuva e vencido por Sebastian Vettel, com Mark Webber completando a dobradinha da Red Bull. Jenson Button, à época na Brawn, fechou o pódio em Xangai.

segunda-feira, 12 de abril de 2010

REPLAY: GP DE BARBER, INDY

PILOTOS: RENÉ ARNOUX

Arnoux competiu na Fórmula Um de 1978 a 1989, obtendo 7 vitórias, 18 pole positions, 22 podiums e 181 pontos em toda a sua carreira. Competiu também na GP Masters, ao lado de outros veteranos da Fórmula Um.

Ele também foi protagonista da maior batalha da Formula 1, esta foi contra Gilles Villeneuve em Dijon - Prenois (1979). Ele pode não ter vencido a batalha contra Villeneuve mas deixou seu nome estampado na Formula 1. Batalha que pode ser vista ao final deste artigo.

Em 1983, Arnoux fez um grande campeonato no final da primeira e início da segunda fase. Chegou a pontuar nas 6 corridas com 5 podiuns incluindo as três vitórias importante fazendo com o piloto da Ferrari nº 28 disputasse o campeonato com Prost e Piquet na reta final. Chegou a ocupar a vice-liderança com chances de ser campeão, já que estava 2 pontos atrás de Alain Prost da Renault. Porém, na penúltima etapa, no Grande Prêmio da Europa, em Brands Hatch, na Inglaterra, o piloto sentiu a pressão. Largando na 5ª posição, chegou a mantê-la por 9 voltas seguidas, até que rodou na 19ª volta. Perdendo várias posições, teve que fazer uma enorme corrida de recuperação; terminou em 9º lugar. Sem pontuar, caiu para 3º, indo para a última etapa no Grande Prêmio da África do Sul em Kyalami precisando da vitória e torcer para que Prost termine em 6º e Piquet em 4º lugar. Arnoux largou na 4ª posição, perdeu três e ocupou a 7ª por quatro voltas seguidas, caiu para 8ª por mais quatros voltas seguidas também, até que o motor italiano estourou. Arnoux abandonou a prova e o sonho de ser o primeiro piloto francês campeão mundial acabou.



sábado, 10 de abril de 2010

BARBER BY...SCOTT DIXON

E tivemos o primeiro problema na temporada, o motor Honda do nosso GGOOcar explodiu nesta semana e nossos mecânicos russos não o consertaram a tempo. Porém, como teremos a corrida da Indy em Barber neste final de semana, compensamos com Scott Dixon.

DESAFIO DO DIA


Quem? Quando? Onde? O porque depois eu falo...

HISPANIA QUER PILOTOS EXPERIENTES!

Colin Kolles continua buscando ideias para melhorar rapidamente o rendimento da Hispania em sua temporada de estreia. Desta vez, o chefe da equipe vai usar parte do dinheiro trazido pelos patrocínios de Bruno Senna e Karun Chandhok para pagar um piloto experiente. Este veterano pilotaria o carro do time às sextas-feiras, para auxiliar no desenvolvimento do modelo fabricado pela Dallara, informa o site GRANDE PREMIO.

"Vamos em breve utilizar pilotos experientes nas sextas-feiras dos GPs para fazer comparações", falou Kolles à revista alemã "Auto Bild". A intenção é a de permitir à dupla titular uma melhora mais rápida em relação aos rivais no grid.

A Hispania também vai alugar um túnel de vento e desenvolver o carro independentemente "para se distanciar do nível da GP2". São especulados os nomes de Giancarlo Fisichella, Christian Klien, Kazuki Nakajima e Jacques Villeneuve.

LEGENDE A FOTO

(Foto: F1 Nostalgia)

Peter Schetty e Jacky Ickx, em 1970, na Sebring 12 Hours of Endurance for the Alitalia Airline Trophy.

sexta-feira, 9 de abril de 2010

POR QUE NÃO VEMOS MAIS ISTO NA F1 ATUAL?

INDY MUSICAL: O CLIP

F1: OS MOTORES UTILIZADOS ATÉ A 3ª ETAPA

Com apenas três corridas transcorridas do Mundial, a equipe Ferrari se vê em situação de alerta, já que ambos os seus pilotos, Felipe Massa e Fernando Alonso, trocaram de motor por três vezes. A situação do espanhol é ainda pior, já que depois da quebra no GP da Malásia, provavelmente ele já usará o quarto propulsor na próxima etapa do Mundial, na China.

O superaquecimento nos motores da escuderia italiana preocupa dirigentes, que farão uma reunião para discutir soluções que possam ser tomadas a tempo de evitar o fracasso do time na temporada, informa o site TAZIO.

Dentre as equipes grandes, McLaren, Mercedes e Force India já trocaram de propulsor por duas vezes cada uma, junto com a Toro Rosso.

A Red Bull de Sebastian Vettel e Mark Webber lançou mão de dois motores para o carro do alemão, ao passo que o australiano precisou de apenas um, assim como acontece com Rubens Barrichello e Nico Hulkenberg na Williams.

Vale lembrar que a regra sobre a troca de propulsores permite a troca de até oito unidades durante toda a temporada, que é formada por 19 disputas.

Caso necessite realizar a troca de um motor além do permitido, o competidor será penalizado com a perda de dez posições no grid da corrida que irá disputar, algo que pode tirar a Ferrari da briga pelo título no final do campeonato, já que Massa é o atual líder, com 39 pontos.

Confira a lista completa dos motores utilizados até agora:

1. Jenson Button (ING/McLaren-Mercedes), 2 motores
2. Lewis Hamilton (ING/McLaren-Mercedes), 2
3. Michael Schumacher (ALE/Mercedes), 2
4. Nico Rosberg (ALE/Mercedes), 2
5. Sebastian Vettel (ALE/Red Bull-Renault), 2
6. Mark Webber (AUS/Red Bull-Renault), 1
7. Felipe Massa (BRA/Ferrari), 3
8. Fernando Alonso (ESP/Ferrari), 3
9. Rubens Barrichello (BRA/Williams-Cosworth), 1
10. Nico Hulkenberg (ALE/Williams-Cosworth), 1
11. Robert Kubica (POL/Renault), 1
12. Vitaly Petrov (RUS/Renault), 1
13. Adrian Sutil (ALE/Force India-Mercedes), 2
14. Vitantonio Liuzzi (ITA/Force India-Mercedes), 2
15. Sebastian Buemi (SUI/Toro Rosso-Ferrari), 2
16. Jaime Alguersuari (ESP/Toro Rosso-Ferrari), 2
17. Jarno Trulli (ITA/Lotus-Cosworth), 2
18. Heikki Kovalainen (FIN/Lotus-Cosworth), 2
19. Karun Chandhok (IND/Hispania-Cosworth), 1
20. Bruno Senna (BRA/Hispania-Cosworth), 2
21. Pedro de La Rosa (ESP/Sauber-Ferrari), 1
22. Kamui Kobayashi (JAP/Sauber-Ferrari), 1
23. Lucas Di Grassi (BRA/Virgin-Cosworth), 2
24. Timo Glock (ALE/Virgin-Cosworth), 1

RAIO X: COPERSUCAR FITTIPALDI

Diretamente furtada do Blog do Flávio Gomes: "E vamos em frente com nossas minisséries, nesta noite fria e chuvosíssima da grande metrópole. Agora, um Copersucar. Da lavra do gênio Ricardo Divila. Muita gente aqui, a gente sabe, viu esse carro sendo testado em Interlagos. São belas histórias…"



SAM MICHAEL SOBRE BARRICHELLO: "UM DOS MELHORES COM QUEM TRABALHEI"

A admiração de Sam Michael por Rubens Barrichello só cresce, informa o site GRANDE PREMIO. O diretor-técnico da Williams voltou a dizer que o brasileiro é melhor do que alguns campeões mundiais e um dos melhores pilotos com que já trabalhou. Além disso, afirmou que a parceria da equipe com o veterano está perfeita no momento.

"A temporada ainda está no início, mas tenho que dizer que ele é um dos melhores pilotos com quem eu já trabalhei. Ele sabe o que é importante para tornar o carro mais rápido”, comentou.

Segundo o dirigente, Barrichello deu uma enorme contribuição para o desenvolvimento do carro da Williams. Entre as pessoas com quem trabalhou nos últimos anos, comparáveis ao brasileiro, Sam só consegue indicar dois.

"Para ser honesto, eu não trabalhei com ninguém tão bom quanto ele desde quando trabalhei com [Heinz-Harald] Frentzen e [Damon] Hill quando eu estava na Jordan há 12 anos. Essa foi a última vez em que estive com caras desse calibre. Ele realmente é muito impressionante”, continuou o diretor-técnico. E não parou por aí.

"Nós imaginamos que ele seria bom, mas ele tem superado bastante as nossas expectativas – e isso vale para todos na equipe, Adam [Parr], Patrick [Head], Frank [Williams] e a mim. O cara está em um nível realmente especial”, declarou.

O dirigente repetiu o discurso de espanto por Barrichello nunca ter levantado uma taça de campeão da F1 em sua carreira. “O que provavelmente nos surpreendeu mais foi o que nós pensamos: ‘Como esse cara não foi várias vezes campeão do mundo?’, porque ele é melhor do que alguns que foram campeões. Há sempre uma fase de lua-de-mel, mas, até agora, é uma parceria perfeita.”



Por fim, Michael elogiou a atuação de Barrichello no treino de classificação para o GP da Malásia, no circuito de Sepang, quando choveu bastante. “Rubens foi muito útil. Todas suas opções de pneus estavam corretas. Eu estava entrando em pânico no Q2 com ambos os carros com intermediários, só [Vitaly] Petrov, Michael [Schumacher], Rubens e Nico estavam com esses pneus, os outros estavam com extremos, então eu estava muito preocupado com isso.”

“Quando Rubens saiu do pit lane, ele disse: ‘Droga, está muito molhado’, e então ele virou na curva 7 e falou: ‘Estamos definitivamente com os pneus certos. Ele sabia disso em sua volta de instalação e eu estava confortável”, concluiu.

quinta-feira, 8 de abril de 2010

[OFF] ASF AGANIE DON'T HAVE MODE LONER DOW?? parte 2

E a campanha deu certo, parece que foi encontrada a mãe da filha do King Size:

GGOO NEWS EDIÇÃO Nº 2

Foram dias de intenso trabalho. Madrugadas frias adentro, discussões editoriais, planejamento, escolha dos colunistas, definições das matérias. Pontos de vistas divergentes que se tornaram convergentes em busca de um só ideal: construir uma bela edição da GGOO News.

A recompensa disso tudo, veio através de páginas que deliciosamente leremos, com textos que inspiram e emocionam e com muitas novidades, sempre sob uma exigente análise editorial a cargo de Daniel Macarenco. Ainda nesta edição, textos de Augusto Roque, charges com Dr. Roque, entrevista com Leonardo Cordeiro, enfim, só matérias bem legais, que fogem do trivial.

Senhoras e senhores, aqui está a GGOO News nº 2, leiam sem moderação:


Para quem quiser baixar em pdf, basta clicar aqui.

quarta-feira, 7 de abril de 2010

EXCLUSIVO EM RIBEIRÃO PRETO: UMA VOLTA PELA PISTA DA STOCK

Como noticiamos aqui, dia 06 de Junho, semana de aniversário da cidade, Ribeirão Preto receberá a Stockcar. Intrépido que somos, fizemos a comitiva presidencial trabalhar e dar uma voltinha pelo que será a pista, utilizando sua formação técnica para analisar o traçado e as condições da pista.

Aumentem o som, e fiquem vidrados em mais uma demonstração exclusiva do Blog da GGOO:


No final,a recompensa foi um chopp do Pinguim...afinal, presidente também trabalha.

terça-feira, 6 de abril de 2010

GGOO News Edição Nº 2 - Prévia



Depois da apresentação do novo modo de visualização da GGOO News, chegou a hora de anunciar as principais novidades da segunda edição. A revista está linda, ficou claro o amadurecimento dos profissionais por trás dela, da vontade de lançar agora, mas ainda é cedo. Mas enfim, a hora está chegando.



SP Indy 300 - Por Augusto Roque

Tudo o que rolou na abertura do mundial da Indy e a visão dos torcedores.


Entrevista com Leonardo Cordeiro - Por Daniel Macarenco

Entrevista foi o tema mais pedido pelos leitores para a segunda versão. Fomos atrás e falamos com Leonardo Cordeiro, piloto brasileiro da GP3.


CFD - Por Daniel Macarenco

Saiba mais sobre o equipamento utilizado pela Virgin Racing na construção do VR-01.


Fittipa (Charge) - Por Dr. Roque

Dr. Roque estréia na revista com o resumo do GP do Bahrein e do GP da Austrália.

BOA, RUBENS!

Quem acompanhou o GP da Malásia pela TV ou mesmo pelo rádio até o final pode perceber as brincadeiras de Barrichello com Felipe Massa e Lucas Di Grassi. Brincadeiras estas que, quem tem carro, sempre faz, independente do carro. Basta subir a gasolina, ou surgir um barulhinho diferente para que logo lembremos da "porcaria" do carro que temos.

É assim com qualquer pessoa, de qualquer nível, diria até que é cultural ao povo brasileiro. Porém, quando estas mesmas brincadeiras são feitas por certas pessoas o mundo parece virar "certinho demais" e qualquer brincadeira passa a ser respondida com olhar crítico e desaprovação.

A resposta que Rubens deu hoje, mostra exatamente isso: “Após a prova, em uma entrevista coletiva, fiz uma brincadeira com o Di Grassi que precisávamos melhorar muito nossas "porcarias" pra chegar no nível do então novo líder e nosso amigo Massa. Foi total descontraído, e quem viu ao vivo sentiu exatamente isso. E não é que novamente algumas pessoas da imprensa pegaram pesado falando que falei mal da equipe. Ah, minha gente, chega com isso”, falou o brasileiro.

Barrichello usou Karun Chandhok como exemplo para demonstrar sua indignação com setores da mídia no Brasil. “Enquanto Chandhock chega em 15º e seu país lhe bate palmas olhando o lado bom do copo, alguns indivíduos no Brasil ainda teimam em olhar o outro lado do copo e esculachar o piloto. O que vai levar isso? O que vai mudar a vida deles? Nada. Continuarão sendo maldosos e vendedores de informações criadas e mal interpretadas”, desabafou.

“Falar mal de um político que fez seu papel mal é uma coisa, agora querer ver chuva onde não chove é completamente outra. Já estou farto desse povo da idade da pedra que não aprende nunca. Ficarão velhos e verão que a vida passou rápido e que não aprenderam nada. Já deveria ter falado isso há muitos anos”, completou Rubens.

Neste caso, ponto para Rubens Barrichello.

[OFF] ASF AGANIE DON'T HAVE MODE LONER DOW??

A resposta para a pergunta acima, está no vídeo abaixo.
Se alguém conseguir me falar o que ele quis dizer, ganha uma camiseta da GGOO, versão 2010.



Cartas para a redação, por favor!

PS: vamos iniciar a campanha: "Onde está a mãe da filha do King Size!"

REPLAY: GP DA MALÁSIA

segunda-feira, 5 de abril de 2010

SÁBIO, BERNIE ECCLESTONE

Bernie Ecclestone fez uma alerta quanto à necessidade de mudanças na F1, especialmente para proporcionar um maior número de ultrapassagens. Após o GP do Bahrein, a reclamação foi geral por conta da falta de emoção da prova, mas as duas etapas seguintes, na Austrália e a na Malásia, viram disputas emocionantes e um grid embaralhado muito em função da chuva, informa o site GRANDE PREMIO.

"Não se deixe enganar", disse Ecclestone, em entrevista ao jornal "The Telegraph". "Nós apenas tivemos sorte com a chuva", completou.

"Mas temos de fazer alguma coisa. Pela primeira vez as equipes perceberam que é preciso fazer algo sobre isso. É claro que não é necessário inverter o grid, mas precisamos de mais ultrapassagens", alertou o dirigente.

Para o britânico, a solução para o problema da ausência de ultrapassagens seria uma "asa dianteira menor" e a "proibição do uso do difusor duplo".

(OFF) GUITARRA MOTOR FERRARI...


Já vi o Dr. Roque fazer igual...

FOTO DO DIA: GP DA MALÁSIA

PILOTOS: JAN BALDER

Jan nasceu em Amsterdã, na Holanda, no dia 21 de junho de 1946.

Em 1954, com 8 anos, veio para o Brasil pois seu pai, Antoni Balder, engenheiro da fábrica de aviões “Fokker”, foi transferido para o Rio de Janeiro. Moraram um ano em Copacabana, depois mais um ano em Ipanema. Junto com a família veio seu padrinho, Otto Kuttner, também funcionário da “Fokker”.

Em 1956, com o término dos trabalhos a empresa retirou seu pessoal do país, mas os “compadres” resolvem ficar e se mudam para São Paulo, Bairro do Brooklin e vão trabalhar na Vemag, Otto no Departamento de Testes, mesmo departamento onde em 58 Jorge Lettry foi trabalhar, e seu pai, Antoni, como Gerente da Engenharia. Em junho, seu padrinho o leva a assistir a “Duas Horas de Velocidade” em Interlagos. ”Eu, com 10 anos, estava em êxtase, foi paixão à primeira vista, os pilotos se transformaram em meus heróis.” diz Jan.

Seu pai e seu padrinho trabalhavam no desenvolvimento dos DKW e recebiam em casa pilotos que iam trocar idéias e informações, e Jan tinha atenção especial sobre tempos de volta, logo aprendeu a usar um cronômetro. Quase toda tarde após as aulas ia à Interlagos acompanhar os treinos e testes e levava um cronômetro para marcar o tempo dos carros, e foi fazendo amizade com os pilotos, certa vez ganhou carona de volta para casa de ninguém menos que Chico Landi, um de seus ídolos.

“Toda vez que eu ia treinar, antes de colocar o meu capacete, recorria ao Jan para saber os tempos dos meus concorrentes”, lembrava Eugenio Martins.
Fã de Ciro Cayres, assistiu das arquibancadas seu acidente na Curva 3, nos “I 500 Quilômetros de Interlagos”, em 7 de setembro de 1957, tinha 11 anos.

Em outubro de 1959, foi assistir os “III Circuito de Poços de Caldas” (MG). Na comemoração da vitória do “Marinho” em um restaurante da cidade, pediu um omelete, que veio enorme. Quando alguém perguntou quem era aquele garoto com 13 anos, o preparador Sergio “Cabeleira” respondeu:”- É o Papa-omelete”. Pronto! Ganhava ali o apelido que o acompanhou a vida inteira.
A partir desse ano passa a cronometrista da equipe Vemag, iniciando nas “IV Mil Milhas”. Quando Otto é contratado pela equipe Willys, Jan passou a cronometrar para eles, ganhando logo a confiança e a amizade de Christian “Bino” Heins, fez sua estréia na prova “ 500 Milhas ” de 1962 e no início de 1963 a equipe, a mando de “Bino”, passa em sua casa para apanhá-lo, eram três Berlinetas e três Gordinis. Sua moral com a turma do bairro ficou lá em cima.

Em 1963, nas “12 Horas de Brasilia” cronometrou as Berlinetas, que foram quebrando, uma a uma, o que provocou o retorno de Otto para a Vemag, Jan voltou também. Dois meses depois, ouvindo os boletins pelo rádio, fica sabendo do acidente fatal do amigo Christian “Bino” Heins na prova 24 Horas de Le Mans, na França, foi um triste mês de junho.

Em 1964, aos 18 anos e com uma moto de 75 cc. começou a correr em Interlagos, fez 3 provas, venceu 2, na categoria, e nos treino para a quarta, em Santos (SP), bateu num caminhão que atravessou a pista improvisada, quebrou vários ossos e ficou “de molho” um bom tempo. Em compensação, no Natal e ainda com o braço engessado, ganhou de presente dos pais seu primeiro carro, um DKW é claro. Assim que se restabelece começa a participar de ralis com o carro, além de continuar os estudos.

Em 1966, aos 20 anos, participa de sua primeira corrida de estreantes com vitória, mas seu carro com freios a disco não homologados na categoria, foi desclassificado, mas tudo bem, na pista tinha vencido. Sua segunda corrida, “IV Aniversário da APVC”, marcou o encerramento das atividades da Equipe Vemag e um novo emprego de seu pai com a mudança da família para o bairro de Eldorado em São Bernardo do Campo (SP). Otto, seu padrinho, continuou na Vemag. Nesse ano participa de 5 provas de estreantes e ganha o troféu Victor de “Piloto Revelação” da revista 4 Rodas que foi entregue por Carlo Pintacuda, ex-piloto italiano que havia ganho duas vezes o Circuito da Gávea no RJ (37 e 38) e o GP Cidade de São Paulo (36).

No final de temporada por sugestão de Emerson Fittipaldi formam dupla e correm as “VIII Mil Milhas”. Na prova largaram mal, mas ganham posições até que faltando 20 voltas, com a quebra do Karmann Ghia do “Moco” e “Totó” Porto passam à primeiro, mas..., fatalidade, uma volta depois um cilindro deixou de funcionar, e a vitória ficou para a dupla Camillo e Celidonio na carretera 18, perdem também o segundo lugar para outro Malzoni da equipe, chegam em terceiro.

Em 1967 fazendo cursinho para engenharia e trabalhando à tarde na fábrica de volantes Fittipaldi volta a participar de ralis e a participar de provas de Kart, venceu 2 provas de estreantes, e em 1969, já no curso de Engenharia Industrial da FEI, como piloto e Alfred de navegador, em um Volks 1.600cc do “Team Fittipaldi” vencem 4 em 8 provas e são campeões paulistas de rali.

Ainda nesse ano com a chegada da Fórmula Vê, monoposto com chassi tubular e mecânica monomarca VW, participa dos “500 Quilômetros” pelo anel externo (da pista antiga) em dupla com “Maneco” Combacau, chegam em terceiro em sua primeira corrida de fórmula.

Com a Vemag fora das pistas, Jan aceitou o convite de Carlos Sgarbi para correrem a “IX Mil Milhas Brasileiras” com o Karmann Ghia/Corvair, emprestado pelo Celidonio, o mesmo para quem havia perdido as Mil Milhas do ano anterior. Rivais sim, mas só dentro da pista, fora, muita amizade e camaradagem.

Em 1968, aos 22 anos, participa de sua primeira prova internacional, as “6 Horas de El Pinar” no Uruguai, a convite de Karl Iwers e o filho Henrique, seu cunhado agora, vencem a prova na classe 1,0 litro. Na Equipe CBE de Eugenio Martins fez dupla com Pedro Victor Delamare e conseguiram a primeira vitória da marca no Brasil, foi nas “500 Milhas da Guanabara” (RJ), em seguida faz dupla com seu ídolo de adolescência, Chico Landi nos “500 Quilômetros de Porto Alegre” (RS), como tinham gasolina nas veias, saem de Porto Alegre direto para outros “500 Quilômetros”, em Salvador (BA). Na equipe ainda fez dupla com Luiz Pereira Bueno nos “Mil Quilômetros da Guanabara” (RJ), e nas “12 Horas de Porto Alegre”, prova reservada à carros nacionais, participa com Henrique Iwers no DKW deste.

Em 1969, aos 23 anos, começa a trabalhar na Pirelli fazendo testes de pneus e na revista Autoesporte onde testa e faz avaliações técnicas de carros e motos. Após a reabertura de Interlagos em 1970 foram realizados os “1500 Quilômetros” e a Equipe CBE comprada por Aguinaldo de Góes Filho e rebatizada de CEBEM convida Jan a fazer dupla com Ciro Cayres, outro de seus ídolos da adolescência, a bordo de uma BMW 2002 que teve sua capota cortada e foi logo apelidada de “esquife voador”. Na prova seguinte, “24 Horas de Interlagos”, reservada à carros nacionais participa com Ciro em um Opala, aproveitando para testar o cambio de 4 marchas, o motor de 4100cc e freios a disco dianteiros para a GM, onde Ciro trabalhava na engenharia experimental.

Nessa época vai para Milão fazer estágio na matriz da Pirelli, mas por causa da prova “12 Horas de Interlagos” adiou seu vôo de sábado para domingo e na corrida, que fez em dupla com Fernando Barbosa, saiu do autódromo duas horas antes do final para não perder o vôo, só ficou sabendo do resultado na Europa, por carta. Foram sétimo. Aproveitando o estágio foi conhecer Monza e sua famosa parabólica, depois visitou o amigo Emerson em Paul Ricard em uma corrida de F2. Depois de uma semana em Hockenheim, F1.

Ainda em 1970 corre as “X Mil Milhas Brasileiras” com Norman Casari a bordo de uma Lola T-70 da “Equipe Casari/Brahma”, mas na véspera da corrida seu pai sofre um grave acidente de transito e é hospitalizado desacordado, Jan pensa em desistir para ficar com o pai, mas este acorda de madrugada e o médico avisa que já estava fora de perigo, só então resolve participar da prova.

Jan participou do "1º Rali da Integração Nacional", para veículos nacionais, em 1971. Correu de Puma com Alfred Maslowski de navegador. Venceram e ganham um convite para participar do Rali da TAP em Portugal.
Antes vai com Norman à África participar da prova “6 Horas de Nova Lisboa” em Angola, com a Lola T-70, mas o carro quebra nos treinos e não correm, na volta participam dos “XII 500 Quilômetros de Interlagos” no Casari/Ford A1, pois Norman havia perdido a Lola T-70 num incêndio nos treinos, depois a equipe é desfeita.

Monta sua própria equipe e participa das “12 Horas de Porto Alegre” com um Volks em dupla com Fausto Dabbur e só então partem, ele e Alfred, para Portugal participar do Rali da TAP com um Puma 1800cc, mas, sem experiência em ralis de velocidade e sem apoio técnico adequado, resolveram desistir na metade da prova.

No ano seguinte, 1972, novo convite de Angola, dessa vez participam, ele e Norman, com um Porsche 907 de uma equipe suíça, mas um acidente liquida com a corrida deles. De volta ao Brasil participa da “Copa Brasil” com um protótipo Avallone/Chryler e sagra-se campeão na categoria esporte nacional (Divisão 4). Em 1975 novamente campeão, mas dessa vez Campeão Paulista e Vice-Campeão Brasileiro na categoria protótipo até 2.0, com um Polar/VW de 1950cc.

Participa como piloto até 1976 quando aos 30 anos se casa e volta a morar no bairro do Brooklin. Nesse mesmo ano a Brahma o convida para chefiar a equipe na categoria Fórmula Super Vê e Fórmula Ford, onde o piloto José Pedro Chateaubriand ganha o Campeonato Brasileiro.

Em 1979 chefia a equipe Gledson/Coca-Cola de Divisão 3, em 1980 volta à Super Vê chefiando a equipe Chantré/Fischer, onde o piloto Antonio Castro Prado vence 7 das 9 provas e ganha o campeonato brasileiro. Nos dois anos seguintes constrói carros de fórmula 2 em parceria com Pedro Muffato como representante de Oreste Berta, aí em 1983 é convidado pela Ford, junto com Francisco Lameirão, para desenvolver uma versão de competição do modelo Escort e após 7 anos volta a pilotar, fazem 3 provas de longa duração.
Em 1984, faz o mesmo com o modelo Voyage, da Volkswagen, e corre o Campeonato Brasileiro de Marcas e Pilotos em parceria com Fausto Dabbur. Sua última prova como piloto foi em 1986, nas “12 Horas de Porto Alegre” (RS).

A partir de então se torna organizador de Ralis, tanto de automóveis, de regularidade, como também náuticos para embarcações a motor, aproveitando toda experiência adquirida nos ralis automobilísticos. Entre 1991 e 2003 foi comentarista automobilístico na Rádio Eldorado, atividade que voltou a exercer em 2006, mas na Rádio Band News FM. Em 2005 lançou um livro “saboroso” de memórias onde conta o panorama e sua participação no automobilismo dos anos sessenta até os setenta.

Como se pode ver todas suas atividades sempre foram ligadas à essa paixão, o automobilismo: “Minha maior satisfação é que em todas as equipes por onde passei obtive grandes alegrias”.