terça-feira, 31 de março de 2009

ANÁLISE TÉCNICA: GP DA AUSTRÁLIA

A temporada da F-1 começou e com ela, voltamos a ter a nossa seção de análise técnica. Como não poderiámos deixar de fazer, o assunto do GP Australiano foram os difusores.



A controvérsia em torno dos difusores da Brawn, Toyota e Williams que é que eles ultrapassam as suas formas e dimensões externas (o que será analisado pela FIA no dia 14 de abril). Mais importante é o fato de que os três modelos utilizam uma "janela" ou buraco (seta vermelha) para alimentar o difusor. Esse buraco é horizontal, no caso da Williams, verticais para as outras duas equipes, e está localizado onde o assoalho cumpre o seu plano de referência (seta preta).

As equipes rivais, tais como o da Ferrari, à direita, não apresenta este buraco característico. Esta diferença resulta da questão de saber se o difusor de três canais podem ser considerados como entidades distintas, ou se eles devem ser considerados como uma (fechado) todo. Dada a formulação do regulamento, pode-se argumentar um caso de qualquer forma, embora a maioria das equipes aparentemente teve o espírito das regras no sentido de que todos os três canais devem ter a mesma altura e comprimento, sem buracos para alimentá-los.

Fonte: Formula 1

2 comentários:

Marcos - Blog da GGOO disse...

A boa e velha coluna de volta, sempre com temas esclarecedores!!
Blz!

fabricio disse...

BLZ[2]