quarta-feira, 15 de abril de 2009

OS IMPACTOS DA LEGALIDADE

Agora que todos já comemoraram a informação de que os difusores são legais. Agora que todos verão um campeonato novo...analisaremos os impactos desta decisão nas equipes e nos pilotos.


Na Ferrari a ordem é correr atrás, depois de um início de ano desastroso como há tempos não se via, mudou-se a estrutura interna, ordens fortes foram dadas e o que se espera é uma reação. Contava com a proibição dos tais difusores, mas como ela não veio, possivelmente terás que construir um novo chassi, assim como havia feito em 1996. A pergunta que fica é, será que vai dar tempo? Dificilmente.


Na Mclaren as coisas andam feias. Mentiras, deturpações, falsidades ideológicas jogam por terra toda a imagem imaculada que tinha na época de Senna e Prost ou até de Mika e Coulthard. Se perdeu ao tentar levar a lei de Gerson (a de levar vantagem em tudo) ao pé da letra. Terá que correr contra o prejuízo moral, para depois se concentrar no carro. A temporada foi jogada fora.


A Renault, das sem difusor, é quem mais se aproxima de fazer um novo dispositivo mandraque a ponto de correr na China com tal peça. Apesar de um mal começo, espera-se uma boa evolução do carro, pena que conta só com um piloto.


A Red Bull é o melhor carro daqueles que não tem nem Kers nem Difusor. Vai continuar incomodando, pode ganhar uma corrida ou outra, mas ficará mais na mídia pelo seu marketing do que pelas suas vitórias. Será que consegue refazer um difusor?


Toro Rosso, se as coisas estão boas para a irmã mais velha, para a segunda equipe dos energéticos as coisas estão feias. Falta estrutura, piloto e dinheiro. Correrá para trás apartir de agora.


A Force India vai no embalo da Mclaren. Se a matriz não se desenvolve, a filial também não sairá do lugar. Falta estrutura para se fazer um carro bem feito, falta velocidade, pilotos e dinheiros. Continuará disputando as últimas vagas no grid com a Toro Rosso.


A BMW foi a equipe que mais testou o Kers, em contra partida seu carro é lento mas constante. Tem determinação e força (além de dinheiro) para ressurgir. Está no mesmo nível da Ferrari e consequentemente, vive o mesmo dilema. Vale a pena ainda investir nesta temporada?


Já a turma do difusor, começamos com a Toyota que tem um bom carro, mas como a Renault, faltam pilotos aptos para dar aquele passo a mais que separam equipes medíocres das equipes vitoriosas. Baterá na trave várias vezes e, com a evolução das demais, não deverá fazer muito mais do que fez até agora.


A Williams é outra que tem um carros constante, mas peca pela falta de dinheiro. Talvez, com os resultados obtidos até agora, consiga algum patrocinador para a equipe. Consequentemente, conseguirá mais desenvolvimento podendo, se a Brawn deixar, ganhar até algumas corridas.


Por último, a queridinha de todos, a Brawn GP. Sem dinheiro, mas com vitórias acumuladas e, correndo com o regulamento debaixo do braço, tende a ter um ano maravilhoso. Ganhando corridas com Button e Barrichello, conseguindo novos patrocinadores e chegando, assim, ao final da disputando, também o título de construtores.


Uma nova F-1, de cabeça para baixo, mas muito mais divertida para o público!

3 comentários:

Marcos - Blog da GGOO disse...

Belíssima análise, Roque!
Parabéns!
Assino aonde?

Uma nova F-1, de cabeça para baixo, mas muito mais divertida para o público![2]

ATÉ QUE ENFIM!!
GRAÇAS A DEUS!!!

Rodrigo Lopes - O Moconauta disse...

Fantástica análise Roque!!!

Assino aonde? [2]

fabricio disse...

Assino onde??? [3]