domingo, 14 de junho de 2009

NO TEMPO DO CARBURADOR: A Formula 1, sua evolução ou o que faz a grana...

Em agosto poderemos relembrar os F1 “antigos” e o pessoal mais carburador relembrar alguns bólidos, como eram chamados naquele tempo. Difícil vai ser não lembrar Interlagos velho, ver a negrinha (Lotus 72 D) do Emerson fazendo a 1 e 2, flap, ou seja de pé em baixo, contra-esterçando, ou o pessoal maluco que ficava de costas para a pista tentando descobrir se o próximo carro era uma Ferrari, um Matra ou um simples Cosworth. Acampar de quinta a noite até domingo, sem banho, comida, banheiro... Às vezes em treino o pessoal fazia o anel externo para economizar a volta, só que com aceleração plena! Lembrar 75, quando em pleno retão a UOP Shadow de Jarrier quebra deixando a vitória a Brabham de Pace e o segundo com a McLaren M23 de Emerson. Bons tempos?

Os carros duravam algumas temporadas, a Lotus durou de 72 a 76, a McLaren de 73 a 78, sendo o primeiro carro do Piquet, alguns carros eram alugados aos melhores pilotos locais que disputavam a prova local, os montadores da F1, eram malucos que compravam motor, freio, suspensão e cambio e com muita intuição, improvisação e TESÃO pela coisa metiam a cara e a pouca grana nos carros. Nos testes de pneus em Interlagos, quem conseguia entrar na área dos boxes, auxiliava da maneira que podia, sendo empurrando o Copersucar da fábrica até a entrada do portão principal ou, imagine a cena hoje, parando o transito para o carro amarelo passar.

A improvisação para os PADRÕES DE HOJE, eram totais, em 72 a Lotus pegou fogo e foi restaurada de sexta para sábado com fibra de vidro e pintura do Sidnei Mosca, peças de reserva? Muito poucas. Quando o Emerson testou o Copersucar em túnel de vento na Embraer todos achavam coisa de maluco, o comum era encher o carro com fitas adesivas e andar com ele pela pista com alguns carros filmando e/ou fotografando para ver o fluxo de ar. E olha os carros que saíram...

Hoje, o pessoal (as empresas) não brinca mais se fica uma temporada sem fazer nada, gastam uma nota absurda, vejam a briga atual para teto de gastos, tem mil engenheiros, estrategistas, metereologistas, massagistas, o cara que só troca o pneu esquerdo dianteiro, o que só abastece e vem um time pequeno que só tem grana para correr a temporada e enfia 6 corridas em 7 e mais uma equipe pequena faz a outra vitória.

Honda desiste, Ford desiste, Renault ameaça assim como a Toyota, em Interlagos veremos o que alguns abnegados fizeram e acabaram fazendo história.

Para quem viveu, presenciou a certeza de que a Copersucar, Emerson, Divila e companhia foram pessoas atemporais adiante de seu tempo, isso sem contar uma nova geração de engenheiros, projetistas que até hoje estão na moda.

Talvez este pessoal foi o último a ter TESÃO naquilo que fazia, dinheiro não era obrigatoriamente tudo.

Talvez em agosto poderemos resgatar ainda alguma coisa daqueles tempos, Interlagos já não é o mesmo, a corrida já não é mais no verão, nós não somos mais os mesmos, porém a chama ainda persiste e o máximo que podemos fazer atualmente é passá-la para algum outro doido e este dar continuação a história.

Um grande abraço e até a próxima, Dr. Roque

3 comentários:

Marcos - Blog da GGOO disse...

Sábias palavras, Dr. Roque.
Este assunto tem sido uma tônica ultimamente, diante do "circo" que o circo da F-1 virou!
Mas meu ingresso já está comprado e em agosto estaremos lá, podendo reviver um pouquinho disso.

- IGOR! - disse...

troco ingresso do GP Brasil F1 2009 pelo ingresso da Historic F1!!!

- IGOR! - disse...

ah, escreva sempre dr. roque... seus textos fazem falta aqui nesse louco e humilde blog!!!