quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

(OFF) - UMA OUTRA VISÃO SOBRE A CRISE

Eu já havia dito no post inicial que também poderia rolar política nessa coluna, mas não sei até onde seria puramente política o que segue.
Esse texto foi enviado pela minha amiga Márcia da GM Artvel de Mogi Guaçu.
Concordo em gênero, número e grau, principalmente com a parte em que diz "é uma pena que esse texto só esteja em blogs e não na mídia de massa".
Uma pena mesmo!!

Texto do Neto, diretor de criação e sócio da Bullet, sobre a crise mundial.

Vou fazer um slideshow para você.
Está preparado?

É comum, você já viu essas imagens antes.
Quem sabe até já se acostumou com elas.
Começa com aquelas crianças famintas da África.
Aquelas com os ossos visíveis por baixo da pele.
Aquelas com moscas nos olhos.

(Os slides se sucedem)

Êxodos de populações inteiras.
Gente faminta.
Gente pobre.
Gente sem futuro.

Durante décadas, vimos essas imagens.
No Discovery Channel, na National Geographic, nos concursos de foto.
Algumas viraram até objetos de arte, em livros de fotógrafos renomados.
São imagens de miséria que comovem.
São imagens que criam plataformas de governo.
Criam ONGs.
Criam entidades.
Criam movimentos sociais.

A miséria pelo mundo, seja em Uganda ou no Ceará, na Índia ou em Bogotá sensibiliza.
Ano após ano, discutiu-se o que fazer.
Anos de pressão para sensibilizar uma infinidade de líderes que se sucederam nas nações mais poderosas do planeta.

Dizem que 40 bilhões de dólares seriam necessários para resolver o problema da fome no mundo.

Resolver, capicce?
Extinguir.

Não haveria mais nenhum menininho terrivelmente magro e sem futuro, em nenhum canto do planeta.

Não sei como calcularam este número.
Mas digamos que esteja subestimado.
Digamos que seja o dobro.
Ou o triplo.
Com 120 bilhões o mundo seria um lugar mais justo.

Não houve passeata, discurso político ou filosófico ou foto que sensibilizasse.
Não houve documentário, ONG, lobby ou pressão que resolvesse.

Mas em uma semana, os mesmos líderes, as mesmas potências, tiraram da cartola 2.2 trilhões de dólares (700 bi nos EUA, 1.5 tri na Europa) para salvar da fome quem já estava de barriga cheia. Bancos e investidores.

Como uma pessoa comentou, é uma pena que esse texto só esteja em blogs e não na mídia de massa, essa mesma que sabe muito bem dar tapa e afagar.

Se quiser, repasse, se não, o que importa?

O nosso almoço tá garantido mesmo...


NB: sinceramente, já não sei mais o que esperar desse mundão.
É realmente algo pra se pensar e pra mudar um pouco nossos conceitos sobre o que realmente é importante em nossa vã existência.

3 comentários:

- IGOR! - disse...

crise??? fome??? aonde??? a grande verdade é que ninguém se preocupa com os problemas dos outros, até que o dia em que a "água bate na bunda"... um grande exemplo disso é a própria F1, sempre torrando dinheiro à toa e agora desesperada com medo de uma debandada geral das montadoras!!!

Rodrigo Cabral disse...

Crise??? não, é CRIE!!!

alternativas não faltam...será que alguém aprova um Proer para F1???

Pelos lados dos Rally, parece que algumas montadoras Japonesas estão seguindo a Honda, com este pretesto do momento!

Augusto Roque disse...

Lennon já alertava para isso em Imagine e em seus Happinings pelado...