sábado, 27 de setembro de 2008

NO TEMPO DO CARBURADOR - 1972, o ano em que tudo começou...

A vinda da F1 para o Brasil, mais precisamente para São Paulo aconteceu por uma junção de fatos coincidentes que terminaram por trazer o GP ao nosso país.

Junte um país que tinha tudo para dar certo, pelo menos dizem isto até hoje! A ideologia ufanista de um Brasil que dava certo, afinal éramos tri-campeões mundiais de futebol, a nossa economia crescia devido ao milagre brasileiro perto de 10% ao ano, a industria automobilística dava uma arrancada enorme com novas fábricas se instalando e novos modelos sendo lançados, tínhamos uma geração que dava certo no automobilismo, Wilsinho, Marivaldo, Luis Pereira Bueno, Jaime Silva, Pace substituíram na memória Chico Landi, Bino entre outros, as industrias investiam nas corridas, não monomarcas, pois era um meio de identificar o produto com seus consumidores, o governo fazia a Transamazônica e todas as ...BRAS da vida.

Junte-se a isto um empresário com visão, o Antonio Carlos Scavone, uma rede de televisão disposta ajudar no projeto, pois é ela mesmo, a plim plim, autódromos novos sendo constuidos, de novo o ufanismo de ter um piloto que em seu primeiro ano ganhou uma corrida de F1, tinha tudo para se tornar-se um novo campeão mundial, afinal este era um país que vai prá frente...Do ame-o ou deixe-o, Era ano do Sesquicentenário da Independência e na primeira transmissão coloque o Geraldo José de Almeida transmitindo...Quem é chapa preta vai se lembrar o que é que é isso minha gente!!!

Então tudo vingou para termos uma corrida extra campeonato em Interlagos e este dia só não foi mais completo porque a Lotus/John Player Special, quebrou a suspensão deixando aqueles quase 30.000 espectadores desiludidos com o resultado, mas sem saberem ao certo no que aquele dia daria...No final do ano o Rato foi campeão e em 1973 a história já começava a ser contada de maneira diferente, mas isso já é outra história e fica para uma próxima vez...

Esta coluna é dedicada aos chapas pretas, que pularam muito muro, ficaram 4 dias acordados e sem tomar banho, sem se alimentar no retão só para ver alguns doidos correndo, hoje pode-se dizer que os substitutos desta geração é a GGOO, algumas citações, e não são poucas, só o pessoal mais antigo vai lembrar, mas nada como empurrar o Copersucar de sua garagem em frente ao portão F até a pista para vê-lo treinar.

Um abração a todos e até a próxima.

Dr. Roque, o da curva 3 e retão!

2 comentários:

Marcos - Blog da GGOO disse...

Poxa Dr. Roque, é sempre um grande prazer ler suas colunas, elas nos remetem ao tempo do automobilismo na sua pura essência, das épocas áureas e românticas da F-1, onde tudo era feito pelo amor à modalidade.
Está aí seu relato para provar isso.
Me fez viajar agora!

Parabéns e obrigado por mais esse presente.

- IGOR! - disse...

com todo respeito a todos os colaboradores desse blog mas essa coluna é a melhor com sobras, "viajo" nessas histórias... QDO É A PRÓXIMA???