sexta-feira, 12 de setembro de 2008

COLUNA DO ROQUE: PANELA DE PRESSÃO

É sabido que o camponato, nesta fase, está polarizado em duas equipes e quiçá 3 pilotos que chegam com condições de serem campeões. A dúvida que resta é quem irá se dar melhor com a panela de pressão em que entrarão daqui para frente.

De suas características pessoais à atenção por parte da equipe, tudo isso pesará na forma em que pisará acelerador e consequentemente na forma e colocação em que chegará ao final das corridas que acontecerão.

Do ponto de vista do público torcedor, Massa tem mais chances de ser campeão, levando em conta seu histórico de superar as críticas e se focar em busca de um resultado positivo. Mais que isso tem tido aquela sorte de campeão, onde os resultados lhe caem no colo, fazendo com que desponte no campeonato. Hamilton tem a seu favor a capacidade de andar rápido em qualquer circunstância, seja na chuva ou no seco, ele vai lá e acelera sem se preocupar muito com as consequencias disso tudo. Já Kimi Raikkonen é aquele sujeito quietão, que pilota bem, tem um azar tremendo, mas que, por obra do destino e competência extrema, reverteu uma vantagem parecida no último ano para ser campeão do mundo, desta vez ele é visto com o azarão do trio.

Sob o aspecto técnico, Lewis Hamilton leva vantagem por pilotar sozinho em uma equipe de ponta (mais uma prova de que Kovalainen nada faz para o carro que tem) e, com isso, ter toda a atenção da mesma para atingir seu objetivo. Já Massa e Kimi têm um belo carro, bons estrategistas (é verdade que um tanto atrapalhados de vez em quando), mas dividem a mesma equipe, o que lhes dá condições de igualdade neste quesito. Por mais que haja uma torcida (principalmente brasileira e italiana) para que Massa seja eleito o primeiro piloto, não se pode desprezar os feitos de Kimi na última temporada. Isso fará com que algumas situações de corrida sejam embaraçosas para os pilotos.

O grande problema de todos está nos pontos negativos facilmente identificados, Hamilton segue muito a linha de pilotagem de Niguel Mansell com uma característica de Ayrton Senna, competência, persistência e cabeça dura, é o piloto que mais tenta, sob a ótica do torcedor, levar vantagem em tudo, a lei de Gerson (aquele de levar vantagem em tudo) é muito bem aplicada a ele. O que foi relevado ano passado em nome do show, este ano está sendo punido e, com isso, Hamilton tende a perder um pouco do foco e cometer mais erros, ou ser punido por eles.

Massa tem a desvantagem de não saber correr bem no molhado e a chuva é uma das características mais comuns das pistas que virão na seqüência do campeonato. Se continuar chovendo, pode ver a chance de ser campeão do mundo fugir em uma rodada ou em um acidente no molhado. Já o Kimi, o que falta à ele é o ligarem na tomada. Neste ano, poucas vezes correu como um campeão sedento por vitórias, muitas vezes deixou no ar a sensação de não estar nem aí para nada e apenas chegar por chegar, em uma situação bem parecida com a que Barrichello optou em 2005 na mesma equipe.

Agora, as fichas estão na mesa e os pilotos em uma tremenda panela de pressão. Quem será o vencedor? Lembrando que as apostas devem ser feitas com calma. O patriotismo, neste caso, só aumentará a pressão dos postulantes ao título...

2 comentários:

Marcos - Blog da GGOO disse...

Como já disse ao meu amigo Roque, vi um comentário do Kimi (não tenho a fonte agora), questionando sobre ele ficar atrás no campeonato, e ele respondeu: "não tenho que me preocupar muito, só preciso terminar a última corrida com 1 ponto a frente pra ser campeão!"

É....

- IGOR! - disse...

mas a pergunta que não que calar é a seguinte: "QUEM SERÁ O HIPOLYTO DA VEZ, HEIN???"